Governo de Minas  
Letra A+  |  A-  |  A  |  Contraste C+  |  C- Enviar por E-mail  |  Imprimir RSS

Menu Superior

   
Página inicial » Cidadão » Doação de medula óssea
Destaques
Doação de sangue: 16 e 17 anos e maiores de 60
Doação de sangue: grupos e caravanas
Atestado de Doação
Acontece

Jornal Hemominas

Informações sobre doação de sangue
Ir conteudo

Medula óssea: doe esperança, doe vida em vida!!


Constituída por tecido líquido-gelatinoso e encontrada no interior dos ossos, a medula óssea produz os componentes do sangue, incluindo as hemácias ou células vermelhas, responsáveis pelo transporte do oxigênio na circulação, os leucócitos ou células brancas, agentes mais importantes do sistema de defesa do nosso organismo, e as plaquetas, que atuam na coagulação do sangue.
 
O transplante de medula óssea beneficia pacientes com produção anormal de células sanguíneas, geralmente causada por algum tipo de câncer no sangue como leucemias e linfomas, além de portadores de aplasia medular, entre outras doenças.
 
Passo a passo para tornar-se doador
 
O cadastramento de candidatos a doadores de medula óssea é feito pela Fundação Hemominas. Para integrar o cadastro de doadores, é necessário:
  • ter entre 18 e 54 anos, boa saúde e não apresentar doenças como as infecciosas ou as hematológicas;
  • apresentar documento oficial de identidade, com foto;
  • preencher os formulários: ficha de identificação do candidato e termo de consentimento;
  • colher uma amostra de sangue com 5ml para testes, para fazer o exame HLA (Antígenos Leucocitários Humanos) que irá determinar as características genéticas necessárias para a compatibilidade entre o doador e o paciente. O tipo de HLA será cadastrado no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome), vinculado ao Instituto Nacional do Câncer (Inca). 
Assim como todos os hemocentros públicos brasileiros, a Fundação Hemominas atua apenas na orientação junto aos candidatos sobre os procedimentos para a doação de medula e na coleta das amostras, encaminhando-as aos laboratórios aptos a realizarem esses exames de alta especificidade técnica, cadastrados no Ministério da Saúde. A partir desse momento, os hemocentros não têm mais participação ativa, não recebem os resultados dos exames de Histocompatibilidade (HLA) para determinação do “perfil genético” e não têm acesso ao Cadastro Nacional de Doadores de Medula (Redome). Constantemente, há um cruzamento de dados entre o resultado de HLA do doador cadastrado no Redome e o do paciente, informação que fica armazenada no Registro Nacional de Receptores de Medula Óssea (Rereme). Em caso de compatibilidade com um paciente, o doador é convocado para exames complementares e para realizar a doação propriamente dita. O candidato não receberá o resultado do HLA, pois este tipo de teste somente é importante para verificar a compatibilidade do transplante.
 
A atualização de dados do candidato à doação de medula óssea no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome) somente é feita no site do INCA, órgão responsável pelo cadastro nacional, mesmo que a entrada tenha sido pela Hemominas. O formulário está disponível em http://www1.inca.gov.br/doador/ para efetuar a atualização dos dados.
 
Onde se cadastrar em Minas Gerais
 
Além Paraíba: Rua Felizardo Esquerdo, 21
(32) 3462-4597 e (32) 3462-2833
 
Belo Horizonte:
Região Central - Alameda Ezequiel Dias, 321
(31)3768-4500
Região do Barreiro – Avenida Dr. Cristiano Resende, 2.505
(31) 3390-8014 e (31) 3390-8013
 
Betim: Avenida Salvador Gonçalves Diniz, 191
(31) 3595-1010 e (31) 3512-1050
 
Diamantina: Rua da Glória, 469
(38) 3532-1358 e (38) 3532-1361
 
Divinópolis: Rua José Gabriel Medef, 221
(37) 3216-6514
 
Governador Valadares: Rua Barão do Rio Branco, 707 - Centro
(33) 3212-5813 e (33) 3212-5814
 
Ituiutaba: Avenida 49, n° 125
(34) 2122-0400 e (34) 2122-0417
 
Juiz de Fora: Rua Barão de Cataguazes, s.n°
(32) 3257-3114
 
Manhuaçu: Rua Frederico Dolabela, 289
(33) 3331-1021; 3331-4808; 3331-5977 e 3331-2034
 
Montes Claros: Rua Urbino Viana, 640
(38) 3218-7814; 3218-7813 e 3222-3946
 
Passos: Rua Dr. José Lemos Barros, 313
(35) 3522-4202 e (35) 3522-7129
 
Patos de Minas: Rua Major Gote, 1.255
(34) 3822-9646
 
Poços de Caldas: Avenida José Remígio Prezia, 303
(35) 2101-9300
 
Ponte Nova: Rua Carlos Gomes, 17
(31) 3817-3212 e (31) 3817-5489
 
Pouso Alegre: Rua Comendador José Garcia, 825
(35) 3449-9900; 3449-9913 e 3449-9914
 
São João del-Rei: Rua Prefeito Nascimento Teixeira, 175
(32) 3322-2900 e (32) 3322-2915
 
Sete Lagoas: Avenida Dr. Renato Azeredo, 3.170
(31) 3774-5074
 
Uberaba: Avenida Getúlio Guaritá, 250
(34) 3074-3222
 
Uberlândia: Avenida Levino de Souza, 1.845
(34) 3088-9200
 
 
 Compatibilidade
 
 A chance de encontrar um doador compatível entre irmãos, filhos de mesmo pai e mesma mãe, é estimada em 25% a 30%, aproximadamente. Entre pessoas não aparentadas, essa possibilidade pode chegar a 1 para 100.000 candidatos cadastrados. A compatibilidade é verificada pela semelhança entre os antígenos dos leucócitos do doador com os do receptor, por meio do exame de HLA (Antígenos Leucocitários Humanos). Portanto, quanto mais candidatos cadastrados, maiores as chances de se encontrar o doador ideal para os pacientes que precisam de transplante.
 
Se o candidato for considerado compatível com um paciente, ele será consultado, mais uma vez, para decidir sobre a doação. Com a confirmação do doador, outros testes sanguíneos serão feitos para confirmar a compatibilidade. Em seguida, o candidato passa por rigorosos exames para avaliação da sua saúde e, se tudo der certo, ele se tornará um doador.
 
Coleta
 
Há duas formas básicas para coleta da medula de um doador:
  • punções no osso da bacia, por meio de agulhas especiais, sob efeito de anestesia. Os doadores passam por um pequeno procedimento cirúrgico, de aproximadamente 90 minutos.
  • aférese, procedimento de coleta por via periférica, que se assemelha a uma doação de sangue. Não requer internação nem anestesia.
A escolha sobre o tipo de coleta não é uma decisão do doador ou do paciente, mas sim uma indicação médica, de acordo com o tipo de patologia ou diagnóstico do paciente.
 
Transplante
 
O paciente é tratado com quimioterapia, que destrói sua própria medula, e recebe a medula óssea doada por meio de transfusão. Em duas semanas, a medula óssea transplantada já estará produzindo células novas.  
                  
Para os doadores, os riscos são praticamente inexistentes. Apenas 10% da medula óssea são retirados e, dentro de poucas semanas, a medula doada será recomposta pelo organismo.

O transplante de medula óssea é a única esperança de cura para muitos portadores de leucemias e outras doenças do sangue
 
Não confundir
 
Medula óssea: popularmente conhecida como “tutano”, é constituída por tecido líquido-gelatinoso, ocupando a cavidade dos ossos.
 
Medula espinhal: formada de tecido nervoso que ocupa o espaço dentro da coluna vertebral, cuja função é transmitir os impulsos nervosos, a partir do cérebro, para todo o corpo.
 
O que é o Redome
 
Criado em 1993 e coordenado pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca), o Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome) reúne as informações (nome, endereço, resultados de exames, características genéticas) de pessoas que se voluntariam a doar medula para pacientes que precisam do transplante. Um sistema informatizado cruza as informações genéticas dos doadores voluntários cadastrados no Redome com as dos pacientes que precisam do transplante. Quando é verificada compatibilidade, a pessoa é convocada para efetivar a doação.
Referência: Perguntas e respostas sobre transplante de medula óssea - Inca

 

Desde o final do ano 2000 até dezembro/2013, a Fundação Hemominas já cadastrou 370.627 mil candidatos à doação de medula óssea no estado.

 



Fonte: Gerência de Captação e Cadastro | Atualização: 31 de Janeiro de 2014 |
  HEMOMINASBarra Vertical - RodapéAdm Central: Rua Grão Pará, 882 -Santa EfigêniaTodos os direitos reservados.Politica de privacidade.